Apesar de serem termos relacionados à gripe, não são exatamente a mesma coisa. Influenza é um tipo de vírus que apresenta 3 tipos. Influenza A, B e C. No caso do influenza A, existem subtipos como H1N1, H3n2, H5N1 entre outros.

O H1N1 foi o responsável pela pandemia que ocorreu em 2009. Os tipos A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o A o maior responsável pelas epidemias mundiais. O tipo C provoca gripes brandas. Os vírus do influenza A podem ser encontrados em humanos, e animais como aves, suínos, cavalos, etc. Os vírus B e C tem como reservatório somente humanos.

O influenza é mais comum em estações frias e em cada ano, circula mais de um tipo ou subtipo de influenza concomitante. Sua transmissão acontece através de secreções oriundas das vias respiratórias através de espirro, tosse , fala podendo atingir boca, nariz, olhos diretamente ou através das mãos. Os sintomas são febre alta (3 dias), dor muscular, dor de garganta, cefaleia, tosse seca e coriza. Em alguns casos, a gripe pode provocar pneumonia e o paciente necessita ser internado.

Gestantes

Pacientes gestantes, puérperas até segunda semana pós-parto, idosos > 60 anos, crianças < 2 anos, asmáticos, imunossuprimidos, obesos com IMC > 40, pacientes com doenças crônicas neurológicas, cardíacas, renais, diabéticos descompesados, apresentam maior risco de complicações.

O tratamento geralmente é com medicamentos sintomáticos, hidratação oral frequente, medicamento antiviral e internação quando necessários. Mas sem dúvida, o melhor remédio é a prevenção. A vacina é uma das medidas para a prevenção. Ela é considerada segura e é eficaz para evitar casos graves e mortes por gripe. Outras medidas para prevenção incluem higienização das mãos, limpeza de objetos, limpeza de brinquedos em creches, evitar ambientes com muita gente e fechados e, se tiver doente, retornar ao trabalho ou escola somente após 7 dias do início dos sintomas.

2022-01-30T15:59:36-03:00
Go to Top